SOMED logo

Agende sua consulta ou exame:

SOMED logo

Exposição ambiental e doenças respiratórias: como se proteger

by | 4/12/23 | Pneumologia

A qualidade do ar que respiramos desempenha um papel crucial em nossa saúde respiratória. Portanto, a exposição a poluentes e substâncias nocivas no ambiente pode aumentar significativamente o risco de desenvolver uma variedade de doenças respiratórias. 

Continue a leitura e entenda a relação entre a exposição ambiental e doenças respiratórias, destacando os principais poluentes, os grupos de pessoas mais vulneráveis ​​e o que podemos fazer para proteger nossos pulmões.

Poluentes ambientais e o que podem causar para a saúde respiratória

Partículas em Suspensão 

Sim, partículas em suspensão no ar, especialmente as partículas finas conhecidas como PM2.5 (partículas com diâmetro menor que 2,5 micrômetros), podem causar uma variedade de doenças respiratórias. Essas partículas são pequenas o suficiente para serem inaladas profundamente nos pulmões, o que pode levar a vários problemas de saúde, incluindo: irritação respiratória, exacerbação de condições respiratórias crônicas, agravamento de alergias respiratórias, desenvolvimento de doenças respiratórias crônicas, aumento do risco de infecções respiratórias e risco de doenças cardiovasculares.

Para reduzir o risco de doenças respiratórias relacionadas a partículas em suspensão, é importante evitar a exposição a poluentes do ar, especialmente em áreas urbanas com alta poluição. Usar máscaras de proteção em ambientes poluídos e manter a casa bem ventilada com filtros de ar podem ajudar a reduzir a exposição a partículas nocivas.

Compostos Orgânicos Voláteis (COVs)

Os Compostos Orgânicos Voláteis (COVs) são substâncias químicas que podem evaporar facilmente em forma de gás a partir de produtos ou materiais do nosso cotidiano. Eles estão presentes em uma variedade de produtos, incluindo tintas, solventes, produtos de limpeza, aerossóis e materiais de construção.

A exposição aos COVs pode afetar o sistema respiratório, causando: irritação das vias respiratórias, agravamento de doenças respiratórias crônicas, desenvolvimento de sensibilidades e alergias respiratórias, agravamento de síndromes respiratórias, problemas do sistema nervoso e até câncer.

Para reduzir esse tipo de exposição e proteger a saúde respiratória, é importante optar por produtos de baixo teor ou sem COVs sempre que possível. Ventilar bem os ambientes fechados, especialmente durante e após o uso de produtos que contêm COVs, ajuda a dispersar os gases nocivos. Usar máscaras de proteção adequadas ao manipular substâncias que contêm COVs também é uma precaução importante.

Fumaça de Tabaco

A fumaça do tabaco contém uma mistura complexa de produtos químicos tóxicos, incluindo monóxido de carbono, formaldeído, cianeto de hidrogênio, amônia, metais pesados e mais de 7.000 compostos químicos, dos quais centenas são tóxicos e cerca de 70 são conhecidos por causar câncer. Quando inalada, essa mistura de substâncias nocivas pode causar várias doenças respiratórias e outros problemas de saúde, como: Irritação das vias respiratórias, doença pulmonar obstrutiva Crônica (DPOC), asma, infecções respiratórias, câncer de pulmão, morte súbita infantil (Síndrome da Morte Súbita Infantil – SIDS) e doença pulmonar intersticial (DPI).

A maneira mais eficaz de prevenir doenças respiratórias causadas pelo tabagismo é evitar o tabagismo ativo e o contato com fumaça de segunda mão. Além disso, programas de cessação do tabagismo, suporte médico e conscientização pública são vitais para ajudar fumantes a parar e proteger não fumantes dos efeitos prejudiciais do tabagismo passivo.

Mofo

O mofo é uma presença silenciosa e muitas vezes invisível que pode ter um impacto significativo em nossa saúde respiratória. Este fungo, que cresce em ambientes úmidos, libera esporos no ar que, quando inalados, podem desencadear uma série de problemas respiratórios. 

A exposição ao mofo pode agravar os sintomas da asma em indivíduos sensíveis, causando chiado no peito, falta de ar e ataques de tosse. O mofo também é um alérgeno comum, podendo desencadear sintomas como nariz entupido, espirros e coceira nos olhos e garganta.

Uma condição que pode ser causada pela exposição ao mofo é o pulmão do agricultor (Pneumonite de Hiperssensibilidade – PH), condição pulmonar causada por exposição a antígenos, incluindo esporos de mofo, levando a inflamação nos pulmões.

Alguns sinais para prestar atenção e reconhecer a presença do mofo são: odor desagradável, manchas pretas, verdes ou brancas em paredes, tetos ou outras superfícies úmidas. Sintomas respiratórios como o chiado, tosse persistente, congestão nasal ou problemas respiratórios inexplicáveis também podem ser sinais de exposição ao mofo.

Controle de umidade, ventilação adequada, inspeção e limpeza regular da casa, e uso de purificadores de ar e desumidificadores são formas de proteger a saúde respiratória.

Fogão a lenha

Fogões a lenha podem contribuir para problemas respiratórios, especialmente quando não são usados ou mantidos corretamente. Algumas maneiras pelas quais os fogões a lenha podem afetar a saúde respiratória são:

  • Emissão de partículas: A queima de madeira em fogões a lenha libera partículas finas no ar, conhecidas como PM2.5. Essas partículas são pequenas o suficiente para serem inaladas profundamente nos pulmões, o que pode causar irritação e inflamação das vias respiratórias.
  • Monóxido de Carbono (CO): A queima de lenha produz monóxido de carbono, um gás incolor e inodoro que, quando inalado em grandes quantidades, pode levar à intoxicação por CO. Mesmo em níveis mais baixos, a exposição prolongada ao monóxido de carbono pode causar sintomas respiratórios, como tosse e falta de ar.
  • Alérgenos e irritantes: O mofo e os alérgenos presentes na madeira podem ser liberados no ar durante a queima, causando reações alérgicas em pessoas sensíveis.

A exposição prolongada a esses poluentes do ar pode agravar condições respiratórias crônicas, como asma, bronquite crônica e doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC), tornando os sintomas dessas condições mais graves.

Para minimizar os riscos à saúde respiratória ao usar um fogão a lenha, é importante garantir ventilação adequada para permitir a saída dos gases e das partículas. Além disso, utilizar madeira seca e evitar queimar plásticos, tintas ou outros materiais tóxicos ajuda a reduzir a emissão de poluentes.

Em resumo, enquanto fogões a lenha podem ser uma fonte de calor econômica e aconchegante, é essencial usá-los com responsabilidade, garantindo uma ventilação adequada e escolhendo madeira de qualidade para minimizar o impacto negativo na saúde respiratória. Pessoas com problemas respiratórios preexistentes devem ser especialmente cautelosas ao utilizar fogões a lenha.

Pássaros e travesseiros de pena

Penas de pássaros e travesseiros feitos com penas podem potencialmente causar problemas respiratórios, especialmente em pessoas que são alérgicas às proteínas encontradas nas penas. A alergia às penas é uma reação alérgica ao pó das penas, às fezes dos ácaros do pó que frequentemente infestam travesseiros de penas, ou às proteínas específicas encontradas nas penas dos pássaros.

A exposição a essas substâncias pode levar a sintomas respiratórios, incluindo: asma, rinite alérgica, e conjuntivite alérgica.

Se você é alérgico às penas, é recomendável evitar travesseiros, edredons ou roupas de cama feitos com penas de pássaros. Optar por materiais sintéticos ou hipoalergênicos pode ajudar a reduzir o risco de exposição alérgica. Além disso, usar capas à prova de ácaros em travesseiros e colchões pode ajudar a minimizar a exposição aos ácaros do pó, que são frequentemente encontrados em travesseiros de penas.

Se você suspeita que pode ser alérgico às penas ou está experimentando sintomas respiratórios relacionados ao uso de travesseiros ou roupas de cama de penas, é importante consultar um alergista ou imunologista.

Grupos vulneráveis e impactos

  • Crianças: Seus sistemas respiratórios ainda estão em desenvolvimento, tornando-os mais suscetíveis aos efeitos nocivos da exposição ambiental.
  • Idosos: A exposição prolongada pode agravar doenças respiratórias preexistentes, como DPOC e enfisema.
  • Pessoas com condições respiratórias crônicas: A exposição pode desencadear crises asmáticas ou aumentar a gravidade de outras doenças respiratórias.

A exposição ambiental desempenha um papel significativo no aumento das taxas de doenças respiratórias em todo o mundo. Ao tomar medidas para reduzir nossa exposição e advogar por políticas ambientais saudáveis, podemos proteger não apenas nossos próprios pulmões, mas também o bem-estar de toda a comunidade. Juntos, podemos criar um ambiente mais saudável para as gerações futuras.

A Somed oferece os serviços de diagnóstico e tratamento com tecnologia de ponta, conforto, acessibilidade e profissionais capacitados. Além disso, aqui você encontra reunidos no mesmo local exames e tratamentos nas áreas de medicina do sono, pneumologia, otorrinolaringologia e neurologia.

Em caso de dúvidas e persistência de sintomas, procure a Somed para buscar o tratamento adequado. Entre em contato conosco e agende o seu horário.

Rinite: conheça cada um dos tipos

Rinite: conheça cada um dos tipos

A rinite é uma condição inflamatória nas membranas mucosas do nariz que pode causar uma série de desconfortos, afetando a qualidade de vida e o bem-estar dos indivíduos. Já contamos aqui sobre como escolher o melhor tratamento para a doença. Mas você sabia que existem...

Sinusite: conheça cada um dos tipos

Sinusite: conheça cada um dos tipos

Condição comum que afeta milhões de pessoas em todo o mundo, a sinusite é caracterizada pela inflamação dos seios paranasais, o que pode causar desconforto significativo e impactar sua qualidade de vida.  Os seios paranasais são cavidades ocas localizadas ao...