Rinite

As rinites são doenças inflamatórias crônicas da mucosa nasal que produzem sintomas nasais irritativos e obstrução nasal em graus variados, de acordo com a severidade da doença. Entre os sintomas irritativos estão espirros, que podem ocorrer de maneira isolada ou em salvas, normalmente após exposição a agentes irritativos ou mudança brusca de temperatura. Prurido nasal ou coceira é muito freqüente, podendo estender-se para olhos e ouvidos. A hipersecretividade nasal produz coriza constante, com secreção normalmente hialina. A obstrução nasal é uma manifestação também bastante frequente nas rinites, podendo ser uni ou bilateral, constante ou cíclica, normalmente pior à noite ao deitar.

Quais são as causas da rinite?

A etiologia ou causa das rinites é na maioria das vezes a alergia, com a mucosa nasal servindo como órgão alvo de suas manifestações de hipersensibilidade. Porém, existem outros tipos de rinites não alérgicas com sintomas e manifestações muito semelhantes à rinite alérgica como a rinite vasomotora, rinite eosinofílica não alérgica, rinites virais, medicamentosa, gestacional e outras.  A rinite pode ser classificada ainda em sazonal ou perene. A sazonal ocorre predominantemente em determinada estação do ano, enquanto a perene mantém a intensidade dos sintomas de maneira uniforme durante o ano.

Como é feito o diagnóstico da rinite?

O diagnóstico das rinites é feito através da história clínica e exame físico, auxiliados por exames complementares como endoscopia nasal e testes alérgicos. Estes testes são importantes para identificação de alérgenos que desencadeiam reação inflamatória exacerbada e agravam os sintomas da doença. Podem ser realizados através de testes cutâneos de exposição a alérgenos ou com pesquisa de imunoglobulinas tipo IgE com exames de sangue. O diagnóstico preciso da rinite é fundamental para a escolha do melhor tratamento.

Como é feito o tratamento da rinite?

O tratamento das rinites deve aliar medidas ambientais com tratamento medicamentoso e em algumas situações podem ser utilizados recursos cirúrgicos em caso de falha terapêutica. As medidas ambientais consistem em afastar alérgenos como esporos de fungos, ácaros, pólen e outros, assim como substâncias irritativas como produtos de limpeza e substâncias químicas em geral. Atenção especial deve ser dispensada ao dormitório do paciente, onde ele pode ficar exposto por longos períodos a substâncias alérgenas, devendo ser arejado, ensolarado e livre de peças de roupa e brinquedos de pelúcia que acumulem poeira e ácaros.

O tratamento medicamentoso consiste do uso de medicação tópica nasal e sistêmica, devendo ser utilizada para abortar crises de rinite, mas também de maneira prolongada para realizar manutenção terapêutica e manter o paciente livre de sintomas pelo período de tempo mais longo possível. O tratamento cirúrgico é reservado a casos severos de pobre resposta ao tratamento clínico, consiste em cirurgia nasal para redução dos cornetos inferiores do nariz, órgão efetor dos sintomas da rinite.

Na maioria dos casos a etiologia da rinite é a alergia, com a mucosa nasal servindo como órgão alvo de suas manifestações de hipersensibilidade.