Asma

Asma é uma doença crônica que causa inflamação nas vias aéreas, levando a espasmos nos brônquios (broncoespasmo), hipersecreção de muco e um processo inflamatório na parede das vias aéreas, com consequente redução ao fluxo de ar.

A população geralmente denomina a asma de “bronquite” e se tem uma falsa ideia de que a asma é mais grave do que a “bronquite”, entretanto representam a mesma doença, em geral.

 

Quais são os principais sintomas da asma?

Uma das características da asma é sua apresentação clínica em crises, podendo ter sintomas contínuos nos casos mais graves. Os principais sintomas são: tosse, dispnéia (falta de ar), sibilos (chiados no peito, “pianço”, “gatinhos” no peito) e sensação de aperto no peito. A tosse é predominantemente seca, mas pode haver expectoração de secreção mucóide (semelhante a clara de ovo), que é consequência da hipersecreção de muco causada pela inflamação crônica.

 

Quais são as classificações da gravidade da asma?

A asma é classificada em intermitente, persistente leve, persistente moderada e persistente grave. Somente a asma intermitente não necessitará de tratamento contínuo.

 

Como a asma pode ser diagnosticada?

O diagnóstico da asma é clínico, auxiliado por exames complementares. O raio x de tórax tem pouco papel do diagnóstico da asma. O exame principal é a espirometria, que além de diagnosticar a asma, auxilia na graduação da gravidade da asma. É importante realizar a espirometria pré e pós-broncodilatador, pois a variação ao broncodilatador é característica da asma (apesar de também ser encontrada em outras doenças).

O teste de broncoprovocação com metacolina está indicado nos casos com espirometria normal e persistência da suspeita de asma.